quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Psicotropicalista na estrada





por: IC News.com.br

Depois de mambembar pelo Norte e o Nordeste, gravando faixas de seu novo CD com o Casarão Cultural (PA), Criolina (MA), Vitoriano (CE), Talma&Gadelha (RN) e Cabruêra (PB), Andreia Dias elege Curitiba, única do Sul, como palco de seu show de mapeamento musical brasileiro para o seu próximo CD. A banda base da cantora é a Humanish, quarteto que ganha reforço do baterista Valderval de Oliveira Filho, das bandas curitibanas Match e Homem Canibal.

O encontro musical entre Andreia Dias e a Humanish estará na sexta faixa de Psicotropicalista, terceiro CD da cantora. O repertório dos dois trabalhos anteriores participa também no show agendado para este sábado no Teatro Paiol. O processo de criação e produção do disco pode ser acompanhado ao vivo na internet (http://tatuducerto.tnb.art.br).

Andreia Dias, que soma vinte anos de estrada, se aventura agora pelo país, para conhecer artistas, trocar informações, gostos, estilos, tecnologias, realizar shows e criar, em parceria com artistas das cidades visitadas, as faixas de seu terceiro CD. Confira: nesta sexta 21, às 21h, no Teatro Paiol. Ingressos a 30 e 15 reais. Fone 3213-1340. Realização Fora do Eixo e da Verdura Produções.

FONTE

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

FESTIVAL DOSOL 2011 AQUECIMENTO: TALMA&GADELHA (RN) – TAKE DE DOCE HORA “ACÚSTICO” EXCLUSIVO PRO FESTIVAL DOSOL!


Seguido com o nosso Aquecimento do Festival Dosol 2011 que acontece de 04 a 13 de novembro na Rua Chile, Casa da Ribeira e Mossoró/RN. O que você assiste abaixo é o take para a música “Doce Hora”, versão acústica doTalma&Gadelha, exclusivo para divulgar o o show do Festival Dosol. A banda toca dia 05 de novembro no evento.
O Festival Dosol 2011 tem patrocínio da Petrobras através da Lei Rouanet e da Oi através da Lei Câmara Cascudo e do Governo do Estado do RN.
Confira a programação completa.

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Talma & Gadelha (RN) – 28/10

Por
Feira Noise Festival
13 de outubro de 2011





Com um álbum recentemente lançado pelo Projeto Incubadora nos 10 anos Dosol, intitulado “Matando o amor” (março de 2011), a banda potiguar Talma&Gadelha apresenta seu primeiro CD com 10 canções compostas pela dupla Luiz Gadelha e Simona Talma dentro de vários estilos do rock. Produzido por Anderson Foca e arranjos de Henrique Rocha e Cris Botarelli, a banda vem arrebatando simpatizantes pela cidade e fora dela.
Com um dos discos mais esperados da cena natalense, o Talma & Gadelha obteve mais de mil downloads do cd em menos de uma semana de lançamento, o que rendeu ótimas resenhas da mídia especializada.
A banda produz freneticamente e mesmo com pouco tempo de existência já lançou dois clipes e fez parcerias importantes, como a composição de uma música em conjunto com o Camarones Orquestra Guitarrística(RN) e duas com a cantora paulistana Andreia Dias.
Além disso, foi escalada pra tocar na Feira da Música em Fortaleza e no projeto BNB. O próximo passo agora é mostrar sua música no estado de SP, daonde espera manter o ritmo de shows e atividades que vêm construindo até aqui.

FONTE

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Diário de Bordo SP - Dia 10 - "Serrana"

Sabadão. Talma&Gardelha sai umas 11 e pouco rumo ao próximo show em Serrana. Táxi, metrô, ônibus pra Ribeirão Preto, 4 horas e meia pra Ribeirão e mais alguns minutos de van pra Serrana, ufa!

Caminhando pro Centro de Cultura e Ativismo Caipira, onde tocaríamos na sequência, misteriosamente uma lixeira acende e toca, um celular no LIXO?? Luiz rasga o lixo e tenta atender, mas o celular para de tocar, então ligamos de volta pro último número que ligou e marcamos com a amiga da dona do celular pra nos encontrar em frente ao CECAC, no Rosa Lanches. Deu tudo certo, boa ação do dia feita.

Vamos nos arrumar pro show e já conhecemos a banda de São Simão Kid Zilda, só caipira legal, aliás, só gente incrível em Serrana, todo mundo fala, beija, conversa, lindo demais!

Começa o show do kid Zilda e todos curtem muito, que público caloroso! Um cover da banda GRAM, que todo o Talma&Gadelha gosta, surpreende. E o Kid Zilda fala no microfone que foi tocar nesse dia especialmente pra nos conhecer e que a namorada e futura esposa do vocalista é nossa fã, que fofos.

Começa nosso show e todos se emocionam. Henrique diz aqui e ali, eu falei, eu avisei, o rolé é muito massa...O Calistoga é quase uma banda de Serrana, tem um vinil do Calistoga na parede e o Brasileiro (figura foda que nos recebe na cidade) relembra os shows e feitos do Calis em Serrana e outras aventuras pelo interior de SP. O show foi lindo, galera pulou, cantou as músicas, comprou camiseta, cds e algumas conversas depois do show, vamos comer no Rosa Lanches.
Banda arrasada, baleada, cansada, 2h da manhã, mas ainda vamos gravar entrevista com Lucas, que estudou a banda, aprendeu as músicas. Foi certamente a nossa entrevista mais engraçada. Pra finalizar, a pedidos, o Brasileiro toca na viola os hinos do ABC e do Alecrim, creiam!

Caímos na cama. zzzzzzz

Diário de Bordo SP - Dia 09 - "Ao vivo na CAFE"

O nosso ao vivo na CAFE foi duplo, junto com a banda de veteranos Os Pício - SP. Som muito legal. Destaque pra música "o mal humor é o amor", assistimos, twitamos, enchemos a geladeira de cerveja, a banda mais boêmia da CAFE, segundo Avner, a banda engraçadinha "TalmaeGardelha".

Os manos do Os Pício ficaram pra nos ver e na sequência tocamos pela primeira vez sem Cris, tenso, Henrique fazendo prova de matemática na guitarra. Umas piadas e dancinhas pra disfarçar, afinal estamos fazendo show em casa, muito bom.

Depois do show um papo com Os Pício, mais umas cervejas e vamo pra baladaaaa! YÊÊE!

A noite começa no Pedaço da Pizza. Simona e Gardelha vão em busca de Karlla no Dona Tereza, Henrique e Emmily ficam comendo pedaços de pizza. Muito boa a batata rústica do Dona Tereza, os Gatos (cachaça de Sergipe) foram rolando na mesa. Aaah não podemos esquecer de citar Joana, amiga de Karlla, paraibana que trabalha com cinema, da hora, que animou a noite, sempre bom encontrar nordestinos por aqui, calor. Ah pára! Polêmica.

Daí fomos passando de um bar pra outro na Augusta. Emmily e Henrique foram pro aniversario da potiguar Juliana, depois voltaram, até que lá pras 4h da manhã já estavam todos cantando axé na Augusta e sentindo saudades do Carnatal. Será?


segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Diário de Bordo SP - Dia 08 - "Prime e Paulista"




Sabe-se lá que hora acordamos. Dia de Cris voltar pra Natal pra arrasar no MADA com o Planant! Sendo dia off pra nós (potiguares sem compromisso de trabalho em SP) resolvemos tirar a noite pra passear na Paulista e realizar um sonho antigo de Henrique. Desde antes de viajar ele falava num tal de Black Dog, num outro tal de PrimeDog, acabamos por ir no PrimeDog com Bilíco (amigo de Henrique que é de Brasília, morou em Natal, e tocou no Sailor Edge - RN) e sua mãe, a fofa da Cristina Bessa. Ficamos passados com o bom atendimento e as delícias do PrimeDog (melhor hot dog da minha vidaaa!) e Henrique nem precisa comentar, chorou lágrimas de sangue com seu Primedog clássico de alguma coisa de soja. Boa conversa, boa comida, vamo passear na paulista!

Andamos, andamos até achar um boteco simpático, com lugar apertado pra sentar e onde quase tudo era proibido, proibido jogar cartas, levar animais,colocar o copo em cima do cardápio, alimentar os pombos... E respirar só ao sinal da luz verde. Muitos assuntos sobre trabalho, ficar rico, as capitais do país, onde moraríamos, como se organizam as cidades e de repente Bilíco chama a nossa atenção pra um anão passando de bicicleta em frente ao MASP, Uau! Realmente ninguém tinha visto essa cena, até então. Foi isso. Fomos pra casa dormir que amanhã tem ao vivo na CAFE. bjas!

video

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Diário de Bordo - Talma&Gadelha em São Paulo

Dia 01 - "Bom show e até a volta! :)"
Dia 02 - "Produzindo"
Dia 03 - "Preguiiiça (não o MC)"
Dia 04 - "Domingo na Casa"
Dia 05 - "Camisas finalmente!"
Dia 06 - "Play TV e Stúdio SP"
Dia 07 - "Trama Virtual"

Dia 08 - "Prime e Paulista"
Dia 09 - "Ao vivo na CAFE"
Dia 10 - "Serrana"

Como foi: Cedo e Sentado Fora do Eixo


Uma Noite Multicultural

A Noite Fora do Eixo no Studio SP primou pela excelência do encontro dos diversos fazeres culturais, característica essencial do Circuito Fora do Eixo. O lançamento digital do terceiro número da revista Overmundo, alimentou ainda mais a já robusta proposta de discussão e ampliação dos temas e gêneros culturais do Fora do Eixo, através dos coletivos colaborativos. Disponível para leitura em IPad e também em formato PDF para leitura em micros comuns, a revista é mergulho no Brasil (ainda) desconhecido, impregnado de belezas, riquezas e sutilezas. Para complementar a diversidade, a Banquinha Fora do Eixo também estava lá, com seu rico sortimento de cd, dvd, camisetas, botons, flyers e livros.


Os convidados musicais da noite eram o dj Opreto (Coletivo Nózmozkada, BA), o conjunto Talma e Gadelha (RN), Érika Machado (MG) e a dupla Julia Says (PE).

O quinteto potiguar Talma e Gadelha (Simona Talma, voz; Luiz Gadelha (baixo e voz); Cris Butarelli (guitarra e voz); Henrique Rocha (guitarra e voz) e Emmily Barreto (bateria e voz), apresentaram suas principais músicas, pop-rock pós-adolescente, de ricas descobertas sensório-existenciais da idade, carregadas de cores introspectivas. Música assobiável, candidata certeira ao dial das rádios.


Logo após, Érika Machado subiu ao palco com seu grupo. Érika é também introspectiva, mas de outros silêncios. Outonal, de manhã ensolarada com vento frio, sua voz é doce deleite (aproveitando aqui para um trocadilho “mineiro”). A banda que a acompanha (Jennifer Souza no violão, Thiago Correa no baixo, Pedro Hamdan na bateria e Daniel Saavedra na guitarra) é harmônica e equilibrada, e sua música às vezes respira um lance entre o folk e o jazz. Em sua participação no palco do Studio SP, convidou a cantora Roberta Campos para participar de dois números, hiperbolizando ainda mais a sensação de frescor que emana de seu repertório.


Os performáticos pernambucanos Julia Says (Pauliño Nunes – guitarra, voz e programação – e Anthony Diego – percussão, programação e bateria), fecharam a Noite FdE em grande estilo. Nome pra lá de incógnito para uma música igualmente incógnita. Difícil classificar os caras. Eles fazem o quê, experimental rock? Mais… muito mais. Eletronic music então? Muito… muito mais! World Music? Nãããooo!

Verdade seja dita, eles fazem todas as músicas do mundo, sim, mas seu som parece sempre insurgente e animal. Fruto de diálogos entre a cena eletrônica e o rock, o JS lançava ontem seu terceiro disco, que trazem seus elementos primordiais: atitude rap, punk, libertária.


No momento em que a música que ouvimos reclama personalidade e posicionamento, é muito saudável ver que Talma e Gadelha, Érika Machado, Julia Says e Opreto têm muito a dizer e apresentar, basta que se abram espaços para eles, como o de ontem, pelo Circuito Fora do Eixo e o Studio SP.

Escobar Franelas/Coletivo Ounão




FONTE

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Diário de Bordo SP - Dia 07 - "Trama Virtual"

Acordamos na hora. A gente sempre acorda na hora, mas aí se abestalha, é incrível! Tínhamos que estar na Trama as 13:30, acordamos 10:30 e quase que não dava tempo, tem noção? Conseguimos a proeza de sair correndo da CAFE, com mil tralhas na mão, pra achar 2 taxis que conseguissem cruzar a cidade em 30 min. Teeeeeenso! Mil caminhos alternativos depois chegamos na Trama 13:26! Pegaaaaa!



O estúdio da Trama é SURREAL! Particularmente, nunca pensei que tocaria num estúdio daquele na vida (eu, pessoa misteriosa que vos escreve todo dia). Os técnicos super brothers, uma galera boa vibe demais! Passamos o som e não queríamos mais parar de tocar até a hora de começar, de tão bom que aquilo tava! Ehehe

Perto da hora de começar a transmissão bombamos twitter e facebook e já vimos a resposta da galera, que ficou esperando mesmo rolar esse show!

Estávamos uns xuxus, modéstia a parte! O som então, nem comento. Três músicas foram gravadas pro acervo da Trama, as três últimas do show. Aí é que tá né, falou “gravando” a gente ficou um pouco nervoso e a nossa guitarrista fez o favor de errar o começo de Doce Hora, mas beleza. É que a gente é acostumado com a energia do show, todo mundo cantando com a gente, interagindo... Tocar num estúdio daquele porte e sem público foi uma experiência nova pra gente! Foi a primeira de muitas vezes, profetizo. Ehehe

De lá fomos comer alguma coisa numa padoca, e, putz, dentre tudo de surreal que já rolou batemos um recorde: estávamos lá, lindos e loiros, tomando um cafezinho quando entra na padaria um cara daqui de SP que curte nossa banda, tinha ido no show do Studio SP do dia anterior, comprado camiseta e tudo e tava lá lanchando. Comassiiim Bial! É isso mesmo, Evaristo? Sim, é isso mesmo.

Ele veio falar com a gente, ficamos batendo papo e ainda ganhamos uma carona de volta pra CAFE, que é do outro lado da cidade né. Nós 5, ele, as tralhas e um passarinho numa caixinha de papelão felizes da vida num Ford Ka. Bom, na real não sei se o passarinho tava feliz não, mas a gente tava.

A noite continuamos desenvolvendo nossas habilidades de passar tempo na CAFE. Nos reunimos na varanda e jogamos forca e quiz pela internet. Acreditem se quiser e até amanhã!

J





Diário de Bordo SP - Dia 06 - Play TV e Studio SP

Bom diaaaaaaaaaaaaa! Hoje começam (finalmente) as atividades Talma&Gadelha em SP. Cabou as fériaaaaas, aeeeeeeee!

Acordamos super cedo e fomos nos organizar pra nossa primeira pauta: entrevista na Play TV, canal da Sky! Cruzamos a cidade de taxi (fumaça, caos, apocalipse) e chegamos lá pontualmente as 11hrs. Fomos super bem recebidos pelo diretor bonitinho do Udigrudi (esquecemos o nome dele L ), que é o programa que vai passar a entrevista, e pela Gabi, apresentadora.

Fizemos dois blocos de entrevistas, foi bem legal, clima ótimo! Falamos sobre a banda, sobre planos pro futuro e um pouco do que a gente escuta (nessa hora Cris sempre diz Lady Gaga, que é pra chocar a sociedade. Ela nunca consegue, mas vale a intenção).

De lá ficamos por ali numa das milhares de padarias rycas que São Paulo tem, comemos um negocinho, passamos num shopping e cruzamos SP de volta pra CAFE (mais fumaça, mais caos, mais apocalipse).
Já na casa almoçamos, nos arrumamos bem lindos, e partimos rumo ao Studio SP, nosso primeiro show aqui em Sampa, o debut, a estréia, a hora da verdade! Na passagem de som trocamos uma idéia com a galera do Julia Says (PE) e da Erika Machado (MG), que também compunham o line up do dia.

O role foi simplesmente maravilhoso! O espaço é absurdo de legal, som bom, técnicos atenciosos... Abrimos a noite e tinha um exército de potiguares dando uma força na platéia, cantando junto, fazendo a onda. Desse jeito, não teve paulista blasé que resistisse, todos se contagiaram com o show e foi muito massa! Brigada pela força, conterrâneos! E brigado aos paulistanos também, né, claro!

A noite seguiu com Erika Machado e suas letras muito delícia e terminou com o Julia Says e seu som lombrosíssimo!

No camarim, muitas focaccias e todos confraternizando. Perfeito pra acompanhar nossa alegria com tudo isso!

Foi, de verdade, uma noite memorável pra gente!

Beijos a todos!

Diário de Bordo SP - Dia 05 – Camisas, finalmente!

Dormimos o sono dos justos depois da festança aqui na CAFE, e a tarde fomos na Galeria do Rock buscar, finalmente, as camisetas do Talma&Gadelha na loja 255! Chegando lá elas estavam na lojinha Fora do Eixo e, aaaaaaaai, ficaram lindas! Todos escolhemos nossas preferidas e ficamos querendo vesti-las ali mesmo!

Como ninguém aqui é ryco mandamos fazer apenas 20... Mas em compensação estamos levando a tela da serigrafia pra fazer mais em Natal, então se acabar a gente pode fazer outras oitenta mil. Aeeeeeee!

Pois é, de sacolas e telas em punho ficamos de role por lá, pirando nas compras! Foi camisa, tênis, bottom, boné... tudo que o dinheiro deu a gente comprou! Ehehe 

Na hora de embora, cadê Henrique? Cadê? Lá vem. Com uma luva plástica na mão comendo pizza. Ssssssssssko.

Na volta pegamos um taxista camarada que se dispôs a levar 5 pessoas. (dica: se você está em um grupo de 5, nunca tente pegar taxi no ponto de taxis que eles não levam porque é proibido. Tem que parar algum na rua, fazer cara de cachorro pidão e perguntar se ele leva 5, aí rola).

A noite a gente não fez nada, compramos uns vinhos, pringles e ficamos vendo vídeos, ouvindo música e curtshindo o friozinho que tava rolando. Irado! Ah, compramos salsichas enlatadas que Emmily-berço-de-ouro não conhecia (!!!) foi a alegria da noite kkkkkkk! Estamos até bem tranqüilos nessa viagem, né? Mas se vocês tivessem aqui na CAFE vocês iam entender! É tão legal ficar de boa aqui que a gente tem preguiça de sair, pegar taxi, pagar caro em barzinho...

Em resumo, estamos adorando tudo! E tudo isso graças a vocês, que fizeram nosso trabalho repercutir além dos limites do aquário natalense. Brigada mesmo!

Beijinhos  


quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Diário de Bordo SP - Dia 04 - Domingo na Casa

Acordamos com a mesa tomada por oitenta mil de sacos de pão, a pia tomada por setenta e nove mil salsichas e com o quintal ocupado por um caminhão de cerveja! Sabe o que é isso? É o DOMINGO NA CASA, que além de uma tarde/noite inteira de shows iradíssimos de bandas de todo Brasil, ainda rola cerveja e lanchinhos de graça! De graça assim, tem uma caixinha colaborativa, onde cada um contribui com o que acha que deve. O mais legal é que todo mundo contribui e aí a festa rola com essa livrança de cerveja até mais tarde. Quando acaba, o pessoal pega o dinheiro da caixinha e compra mais. Tem noção? Será que em Natal isso ía funcionar, heim? 

Anyway, as portas da casa abriram 14hrs, e o pessoal já foi chegando, cada um com sua caneca. Rolou uma super mistura no line up do dia: tinha tudo que era tipo de banda.. hardrock, rockabilly, hip hop.. tinha até uma banda do Chile! Agora imagina que loucura o público desse role! Manos e minas entre pin ups e Elvis e roqueiros dos anos 80... muito engraçado! Ah! Além de tudo ainda encontramos com o Neguedmundo, lá de Natal, que tá morando aqui e veio ver a galera do rap...

Como estamos passando por essa vivência aqui na casa fomos ajudar no funcionamento da festa. A Cris e a Emmily foram escaladas pra ficar na portaria e a Simona e o Luiz pra servirem a cerveja no bar em determinado horário.  Henrique não foi escalado pra nada porque ia pra uma festa chamada Verdurada, coisas de gente hardcore, sabe? Hum. Ehehe mas que nada, no fim das contas só quem trabalhou foi a Simona e o Luiz, que passaram 4 hrs com a mão no gelo e abrindo latinhas! De última hora renderam o turno da portaria das meninas e a Cris passou um pouco mal do dodói e foi deitar (sim, estamos todos doentes em SP. Alguém imagina por que?). 

O Henrique tá aqui dizendo que trabalhou sim, que eu não vi porque estava dormindo. E o pior é que ele trabalhou mesmo, gente, sejamos justos, ele tá se sentindo perseguido, vamos dar amor pra ele. Tchegue, Henrique, tchegue. 
A noite acabou lá pelas 22:30 hrs (vamos ter dó dos vizinhos, né gente?) e, poxa, foi muito massa! Cada vez mais a gente se impressiona com o trabalho que eles desenvolvem aqui, é tudo incrível! 

Amanhã, finalmente, é o dia das camisas! Já já a gente volta pra contar viu?

Beijos   

domingo, 2 de outubro de 2011

Diário de Bordo SP - Dia 03 - "Preguiiiiiça (não o MC)"

Acordamos bem tarde, e começamos a nos arrumar pra ir à Galeria do Rock buscar nossas camisetas, que já estão prontas! O plano era ir na Galeria depois um role rápido pela Teodoro, terminando na feirinha da Benedito Calixto, que bomba sábado a tarde! Aí um deita daqui, outro deita de lá, começa um mimimi generalizado, todas fica com preguiça (não o MC. Aliás, Simoooona...) “A gente precisa mesmo ir hoje?” “Ah, acho que não né, vamos ficar aqui mesmo, tá tão bom”. Pois é. Os dias aqui na Casa Fora do Eixo são muito agradáveis, é difícil sair.

Assumindo a preguiça (não o MC), então, resolvemos fazer umas comprinhas no mercadinho ao lado e tentar produzir alguma música. Luiz e Simona compuseram algumas letras, fizemos algumas melodias... Logo vem coisa nova aí!
Depois do almoço (um ravióli totalmente OMG, Simona que o diga, ficou desejando uma piscina daquele ravióli no céu. Ela não sabe nem se vai ter céu, mas se tiver, quer com piscina de ravióli) ensaiamos aqui no pub da casa, que é onde tem o palco dos shows e depois a Cris e o Henrique fizeram uma Jam de quase 2 horas com o Alan, do Mato Grosso, também guitarrista que tá morando aqui na Casa. Tarinhas da guitarra? Nãooo, que isso!

Lá pra mais tarde voltamos ao mercadinho, compramos bons drink, petisquinhos, e ficamos na varandinha sendo felizes. Depois uns foram pra balada e outros terminaram a noite lá mesmo. Detalhe pra dificuldade que é ligar pra taxi em São Paulo sábado a noite, que que isso! Cadê metrópole com a melhor prestação de serviços? Cadê terceiro milênio? Aff...
Hoje foi o dia do Domingo na Casa, passamos o dia envolvidos com o evento, por isso o diário saiu tão tarde...
É isso, amanhã a gente volta!
:)

sábado, 1 de outubro de 2011

Diário de Bordo SP - Dia 02 - "Produzindo!"

Bom, como vocês sabem, estamos aproveitando os nossos Days Off aqui em SP antes da maratona de shows! Então foi assim, acordamos bem lindos aqui na CAFE depois de uma saidinha bem paulistana no dia anterior. A Cris e a Emmily acordaram cedo pra devolver o carro e aproveitaram pra tirar uma chinfra na Starbucks da Paulista com a Alameda Santos.
Já de volta à CAFE, o dia aparentemente tranqüilo foi palco de muita produção. Fizemos mil fotos, vídeos, e até compusemos uma música! Acho que nos contaminamos com o clima de concentração da casa, aqui todos trabalham muito, é bonito de ver!

Almoçamos por aqui mesmo, comidinha caseira, uma delícia! O pessoal do fora do Eixo tá de parabéns, a coisa anda de verdade aqui.

A noite o Henrique foi ver o “show da vida dele”, que foi do baixista do Fugazzi e do Ataxia, uma das bandas preferidas dele que já acabou. O nome do cara é Joe Lally! O espírito potiguar baixou no role e o Henrique encontrou mil amigos, mil trutas e mil tretas. 

Todos os outros, por sua vez, aceitaram o convite de um diretor amigo da Simona e do Luiz para assistir o espetáculo Oxigênio no SESC Consolação. O diretor amigo é o curitibano Márcio Abreu, e no elenco da peça tinha o Rodrigo Bolzan (que homem é esse, meo deos), a Patrícia Kamis e o músico Gabriel Schwartz. Foi simplesmente INCRÍVEL! Foi um tapa na nossa cara, saímos querendo morrer de tão bom que aquilo era! 

Como somos rycos, ficamos por lá, fomos cumprimentados pelos atores da peça, trocamos ideia e depois saímos pra Augusta com o Márcio. Ele é incrível. A peça é incrível. A noite foi incrível. A gente vai se matar agora, beijos. 

Depois o Henrique encontrou com o grupo, após andar da paraíso até o fim da Augusta, chorando sangue... E pra alguns de nós a noite ainda acabou na Bella Paulista, ícone paulistano de tudo que há de mais moderno em matéria de padaria! ehehe surreal! 

Hoje vamos buscar as camisas na Galeria do Rock, e aí depois vamos... Ah, na hora a gente vê. 

Esse foi o dia 2 da nossa tour, continuem ligados! 

Beijinhos Talma Gadelhísticos